Como elaborar um plano de negócio

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

“No mundo dos negócios dessa nossa era, nada é estático, nada mais se movimenta lentamente, portanto, planos de negócios precisam ser escritos e reescritos constantemente, “ Ney Pinheiro, CEO da AC QUALITYCERT

 

Já abordamos anteriormente “Como montar um plano de expansão para sua Autoridade de Registro”, e agora vamos falar como elaborar um plano de negócio.

Na realidade, não existe um modelo padrão para elaborar um bom plano de negócios.  Tudo vai depender de variáveis muito próprias de cada segmento de mercado, porte da empresa, fase de implementação do plano, histórico de mercado e muitos outros fatores. No entanto, alguns itens podem servir de guia para se escrever o plano para sua empresa.

Ouvimos muito a expressão plano de negócios – business plan – entre as empresas que estão se preparando para obter um financiamento ou novos investidores, mas o plano de negócios não tem apenas essa finalidade.

O plano de negócios é necessário para dar um norte para a empresa e alinhar objetivos e ações estratégicas. É uma excelente base para elaborar de planos táticos e operacionais e consequentemente os planos de comunicação e marketing.

Pra começar é interessante utilizar alguns tópicos que ajudam a iniciar a escrita do plano mesmo que no decorrer do trabalho alguns desse itens sejam abandonados por serem irrelevantes para o momento da empresa.

 

A estrutura básica de um plano de negócios

1.      Sumário executivo

 

O sumário executivo é um resumo de tudo que será apresentado no documento. É interessante ser escrito ou ao menos revisado após a finalização do documento.

 

2.      Descrição da Empresa

 

Esta seção de plano de negócios deve responder a duas perguntas fundamentais: quem é sua empresa e o que ela planeja fazer?

É uma oportunidade de colocar no papel alguns dos pontos de vistas mais intangíveis do seu negócio, como seus princípios, ideais e filosofias culturais.

Aqui estão alguns dos componentes que você deve incluir na visão geral da sua empresa:

Informações básicas sobre sua empresa ou sua história

Essa é a oportunidade para escrever sobre a motivação dos fundadores para entrar nesse mercado e por isso é interessante escrever a história profissional que antecede a criação da empresa. Não precisa dar muitos detalhes, mas essas informações revelam as raízes culturais de todas as empresas.

Modelo de negócios

Nesse ponto do plano você deve descrever a cadeia de negócios a qual sua empresa está inserida. Por exemplo, se você for uma Autoridade de Registro ou uma AC de segundo Nível, precisa descrever a relação com seu PSS – Prestador de Serviço de Suporte, ou seja, a relação comercial e operacional com a Autoridade Certificadora a qual está subordinada, assim como, qual é a forma de remuneração aos seus representantes comerciais seja em relação às vendas ou a indicações.

 

3.      Análise de mercado

 

Esse capítulo é muito importante e por isso vamos escrever um artigo com o título: materiais de apoio para o plano de negócios.

Todos os outros itens do plano de negócios são dependentes do mercado.

 

4.      Gestão e organização

 

Como idealmente deve ser a estrutura de sua empresa?

– Organograma macro da empresa

– Número total de pessoas na sua estrutura

– Distribuição geográfica da operação

– Tipos de contratos de relações de trabalho

– Idade média das pessoas

 

5.      Produtos e serviços

 

Esse item é importante para que a empresa tenha a visão de todos os itens que são comercializados sejam produtos ou serviços. Nesse capitulo devemos incluir as informações sobre os produtos e serviços como:

Descrição dos produtos ou serviço

– Para que serve

– O que resolve

– Funções básicas

– Forma de desenvolvimento/fabricação

– Fornecedor ou área de desenvolvimento e produção interna

– Preço de custo para sua empresa/ preço final para o cliente

– Forma de comercialização

– Tipo de suporte

– Renovação

 

6.      Segmentação de clientes

 

Normalmente quem define a segmentação de clientes é o mercado.  Aqui é um exercício que deve ser feito mensalmente porque o mercado é dinâmico e novas oportunidades surgem do dia para noite e deixando outras defasadas.

Se tratando da indústria de identificação digital, vivemos em meio a novas regulações. Umas aquecem o mercado e outras, ao contrário, reduzem a demanda, ou seja, a necessidade de emissão de certificados digitais ou uso de plataformas específicas para assinatura de documentos.

Além das regulações é necessário acompanhar como as variáveis externas e não domináveis pela empresa tem influência no negócio. Um bom exemplo disso é o aumento do uso de documentos eletrônicos com assinaturas digitais por conta da pandemia provocada pelo coronavírus.

A segmentação de mercado, portanto, está relacionada diretamente aos hábitos das pessoas, a regulações específicas e até mesmo as adversidades.

Para visualizar os clientes precisamos classifica-los por tipo de uso dos produtos e serviços e outras classificações básicas como área geográfica, faixa etária, atividade econômica em caso de profissionais liberais e também empresas e nível de relacionamentos desses clientes com sua empresa.

É uma boa prática separar os tipos de clientes por torres dessas variáveis no formato “cross” com a relação de usabilidade de seus produtos e serviços.

 

7.      Plano de marketing e comunicação

 

Antes de mais nada, é preciso entender a grande diferença entre marketing e comunicação.

O plano de marketing deve apresentar todos os objetivos da empresa relacionados a vendas e ao posicionamento institucional.

A estratégia de marketing deve ser clara e conter informações sobre produtos e serviços, metas de vendas, mercados de atuação, público alvo, periodicidade e canais de vendas, verticais de mercado entre outras informações relevantes da a empresa.

É preciso ter sempre em mente a priorização dos serviços a serem vendidos assim como o público alvo que no caso de certificados digitais ou plataforma de assinaturas eletrônicas interessante fazer a distinção entre: usuários – pessoa física, pessoa jurídica por segmento de mercado – e influenciadores.

A comunicação deve ser planejada anualmente e revisada no mínimo trimestralmente para atender as demandas comerciais que atualmente sofre alterações com muita velocidade para atender o mercado.

 

8.      Logística e plano de operações

 

A logística, atualmente, é o coração das empresas. Depois da experiência de compra pela internet e com a entrega feita muito antes da expectativa – o que nos grandes centros pode ocorrer em horas ou no dia seguinte -, inconscientemente, o consumidor já estabeleceu isso como referencial. Isso ele aplica a sua vida pessoal e a corporativa.

Agora tudo é para ontem!

Por isso, a área de operações nunca teve tanta relevância para as marcas como agora.

No plano de negócios, descreva minuciosamente o ciclo de vida dos produtos e serviços e revise constantemente, e sempre que algo não sair como planejado pois sempre há algo a ser melhorado.

 

9.      Plano financeiro

 

Nesse tópico estabelecemos as metas e expectativas financeiras definidas com base em pesquisa de mercado e previsão de gastos. Relacione sua receita e gastos projetados para os próximos dois a três anos.

Esperamos ter apresentado, de forma bem suscinta, o que é, para que serve e como elaborar seu plano de negócios. Normalmente, as empresas fazem seus planos de negócios com a ajuda de um profissional externo a organização por que esse é o momento de reflexão sobre pontos importantes e um olhar externo é importante para provocar os executivos a expor suas visões particulares que no final do trabalho se consolidará na visão estratégica única da empresa.

 

Sobre a AC Qualitycert

A AC Qualitycert é parte do Grupo Qualitycert, que concentra diversas empresas de tecnologia e identificação digital. Nossa sólida estrutura nos permite atuar em diversos segmentos com relevância e eficiência, atendendo a vários perfis de pessoas físicas e jurídicas.

A AC Qualitycert é uma Autoridade Certificadora credenciada a ICP-Brasil – Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira habilitada a emissão de certificados digitais ICP-Brasil e operar com Prestador de Serviço de Suporte para o credenciamento de Autoridades de Registro em sua infraestrutura.

 

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram